PSQ Portas e Janelas de Correr de Alumínio

Blog do PSQ

A representatividade do PSQ

O Programa Setorial de Qualidade de Portas e Janelas de Correr – PSQ – certamente tem um peso muito grande no cenário do alumínio. Além de ter a AFEAL como capitã do projeto, desta vez a ABAL – Associação Brasileira do Alumínio, une-se como coparticipante do PSQ, envolvendo toda a cadeia produtiva de maneira decisiva na busca pela qualidade. Então vamos falar um pouco sobre estas duas importantes entidades.

Você conhece bem a AFEAL? A Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio, mantenedora do PSQ, conta atualmente com 190 associados. Entre eles, estão 126 fabricantes de esquadrias de alumínio.

Ela está presente em 16 estados brasileiros, além do Distrito Federal. Possui 8 núcleos regionais nos estados de Bahia, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiânia, Espírito Santo, Pernambuco e Ceará.

A ABAL trouxe mais peso ao PSQ, pois congrega as empresas responsáveis por 100% da produção brasileira de alumínio primário, desenvolvedores de sistemas (“sistemistas”), fabricantes de perfis de alumínio (“extrusores”) e empresas responsáveis pelo tratamento de superfície dos perfis (anodização e/ou pintura). Estas empresas representam, aproximadamente, 80% do consumo brasileiro de alumínio.

Um estudo recente realizado pela AFEAL para o mapeamento e dimensionamento do mercado organizado de portas e janelas de alumínio apontou que, em 2016, o segmento de esquadrias entre vãos teve volume de produção de 38,8 mil toneladas. Entende-se por mercado organizado aquele abastecido por empresas legalmente constituídas e que utilizam sistemas para a fabricação das portas e janelas. Estes sistemas podem ser próprios ou de mercado (quando fornecidos por “empresas sistemistas” para diversos fabricantes de esquadrias).

Neste universo, as janelas de correr correspondem a 22,4 mil toneladas, significando 58% do mercado organizado. Isso demonstra a relevância do PSQ Programa Setorial da Qualidade de Portas e Janelas de Correr de Alumínio. Os associados da AFEAL são responsáveis pela produção de 12,5 mil toneladas de janelas de correr. Isso representa 56% do mercado organizado destes produtos. Esses dados são muito importantes para o PSQ.

A representatividade das entidades que lideram o PSQ de Portas e Janelas de Correr de Alumínio é inegável.

A escolha do produto-alvo

Produto-alvo: todo PSQ – Programa Setorial de Qualidade avalia produtos-alvo capazes de elevar de maneira sistemática todo o sistema produtivo do segmento ao qual está relacionado. No caso do segmento das esquadrias de alumínio, isto não é diferente. A escolha do produto-alvo para o programa foi feita de maneira cuidadosa e inteligente.

O setor de esquadrias abrange um amplo leque de tipologias de portas e janelas, segundo a ABNT NBR 10821:2017 – Esquadrias externas para edificações.

O fato é que todas as portas e janelas de alumínio devem apresentar características técnicas adequadas, independente do produto-alvo. Elas devem garantir as condições de habitabilidade dentro da unidade habitacional. São elas: estanqueidade à água, a resistência e a permeabilidade ao vento, a resistência aos esforços decorrentes do manuseio, a isolação sonora, e apresentar durabilidade.

E qual seria a melhor maneira de promover a qualidade de todo um sistema? Por onde começar? Qual produto-alvo?

O produto-alvo escolhido para darmos início ao PSQ de Portas e Janelas de Correr de Alumínio são as janelas de correr de alumínio para dormitórios e salas – as com 2 folhas de vidro e as com 3 folhas e com veneziana.

A escolha deste produto-alvo não foi ao acaso. Diversos fatores foram considerados para que se chegasse ao consenso de começar por aqui.

São analisadas pelo programa todas as folhas móveis, que possuem dimensões máximas de 1,50 x 1,20 m. Serão avaliadas as linhas dos produtos-alvo mais comercializadas ou as com bitola menor ou igual a 20 mm de cada fabricante.

Isso acontecerá mesmo que não respondam pelo maior volume de comercialização do fabricante. Assim, as linhas de produtos-alvo mais críticas em relação ao desempenho e segurança deverão ser avaliadas sempre.

Este produto-alvo representa as janelas mais utilizadas nas habitações e geralmente são instaladas em salas e quartos, isto é, áreas secas e onde as pessoas costumam permanecer por bastante tempo.

Assim, a estanqueidade à água, bem como o conforto sonoro destes produtos são imprescindíveis.

Além disso, as janelas de correr com 3 folhas com veneziana são as mais comercializadas em revendas de materiais de construção. O acompanhamento desta tipologia como produto-alvo é essencial para o combate à não conformidade.

Se conseguirmos normatizar o produto que mais representa nosso mercado – e este tipo de janela tem um peso muito grande na nossa produção -, certamente os demais produtos do setor tendem a acompanhar a melhoria de qualidade. Eles entram naturalmente no programa em um segundo momento, com a aderência de mais produto-alvo.

Um ponto importante que tem sido observado em diversas regiões do Brasil: os Códigos de Edificações e decretos municipais vêm exigindo vãos luz mínimos que não são atendidos pelas janelas de correr com 3 folhas com veneziana.

Nestas regiões, as construtoras estão utilizando, cada vez mais, janelas de correr com 2 folhas de vidro e persiana integrada. Avaliando esta situação, o Programa Setorial da Qualidade, tão logo tenha o histórico de conformidade dos primeiros produtos-alvo, passará a avaliar este produto e, posteriormente, todos os demais que integram nosso leque.

 

 

 

 

Afinal, qual o impacto da não conformidade?

Você sabia que grande parte das esquadrias de alumínio vendidas no mercado organizado apresentam não conformidade? Diversas patologias podem ser ocasionadas por conta da não conformidade sistemática, o que coloca em risco a qualidade do produto e a segurança do consumidor!

As janelas e as portas de correr de alumínio devem atender a todos requisitos de desempenho prescritos nas Normas Técnicas vigentes. O não atendimento influencia negativamente o desempenho do produto. Isto ocasiona dificuldade no manuseio, perda no nível conforto e habitabilidade, diminuição da longevidade da edificação e risco a segurança ao usuário.

Elencamos a seguir as principais manifestações patológicas possíveis de ocorrer em portas e janelas de correr de alumínio. O Programa Setorial da Qualidade atua para detectar as eventuais não conformidades, evitando assim, patologias e mau funcionamento.

Produtos fora de norma podem ocasionar corrosão em perfis e em parafusos de janelas de alumínio, comprometendo o desempenho mecânico e e a estética do produto. O PSQ avalia a resisência à corrosão dos compontentes metálicos através de ensaio de salt-spray de acordo com a ABNT NBR 8094.

Entrou água? Problemas de infiltração e estanqueidade são comuns em produtos em não conformidade. O Programa Setorial avalia a janela por meio de ensaio de estanqueidade à água em câmera de acordo com a ABNT NBR 1081.

Assessórios e selantes não empregados de maneira adequada também podem comprometer o desempenho das portas e janelas. O PSQ avalia a conformidade dos componentes, ferragens e selantes utilizados na esquadria, tanto em relação ao projeto do fabricante, quanto em relação às normas específicas de cada produto.

Se você é consumidor, varejista ou construtora, exija o cumprimento das normas e oriente seu fornecedor a participar do PSQ, um programa que é regulado pelo Ministério das Cidades e órgãos oficiais. Não conformidade é crime!

Se você é fabricante, entre em contato com a AFEAL e saiba como participar desta importante ferramenta de qualidade e isonomia competitiva!

AFEAL REÚNE FABRICANTES DE COMPONENTES PARA APRESENTAR PSQ DE PORTAS E JANELAS DE CORRER DE ALUMÍNIO

Na tarde da última quinta-feira, 22 de junho, a AFEAL promoveu um encontro entre os fabricantes de componentes para esquadrias de alumínio para a apresentação do Programa Setorial de Qualidade aprovado pelo Ministério das Cidades neste mês de junho.

O evento teve início com as boas-vindas de Fernando Rosa, gerente nacional do PSQ, que convidou Alberto Cordeiro, Vice-Presidente de Programas de Qualidade da entidade para dar início às apresentações.

Cordeiro discursou sobre a necessidade do setor se unir como um todo, para fortalecer a imagem do segmento. Contou sobre as novidades do programa e sobre como, de maneira inteligente, ele oferece ferramentas que integram toda a cadeia produtiva. “Precisamos de um mercado organizado, com regras iguais, onde se uma empresa utiliza um sistema de mercado homologado, ela tem vários benefícios e não gasta para homologar tudo de novo. Isso traz uma racionalização do programa. Se o fabricante usa a roldana sugerida pelo sistemista, por exemplo, e se seguiu o manual, não precisa homologar novamente os componentes. A partir daí, começa a fase de qualificar as esquadrias no fabricante, para poder permitir a participação de todos no programa”, explicou.

Ele também falou bastante sobre a escolha do produto-alvo, pensada tanto considerando-se a representatividade de mercado, quanto no local da casa onde o produto é instalado. “Quem tem dinheiro para colocar tudo ao mesmo tempo para rodar? Existe a lei do pareto: 20% dos produtos representam 80% das vendas. Escolhemos o produto mais representativo do mercado para começar a organizar o setor por ele. Se conseguirmos cuidar do que tem maior venda, os demais entrarão no programa naturalmente, num segundo e num terceiro momento. E os produtos que não fogem de casa nenhuma são as janelas de correr de 2 e 3 folhas”.

A reunião contou também com a participação de Celso Calamita, gerente de comunicação e marketing da ABAL – Associação Brasileira do Alumínio, entidade que agora é coparticipante do programa. “Somos os fabricantes de alumínio e fazemos a extrusão do perfil, um elemento inerte da janela. Ele fornece o desempenho estrutural, mas quem garante as suas funcionalidades são os componentes. Daí a importância de vocês estarem presentes no programa e a necessidade de que estes materiais estejam normatizados para garantir a qualidade da janela”, disse.

Na sequência, Jairo Cukierman, da TESIS, empresa gestora técnica do PSQ, apresentou em detalhes como ele funcionará para os fabricantes de componentes, com foco nos procedimentos e ensaios necessários. Ele também falou sobre a importância da união da cadeia produtiva e da criação de um sistema inteligente e eficaz, com capacidade para qualificar tudo que faz parte da esquadria. “Tenho certeza de que temos na ABAL os maiores especialistas em alumínio. Na AFEAL, estão os maiores especialistas em esquadrias. E nesta sala, os maiores especialistas em componentes. Precisamos trabalhar com modelos de auto-regulamentação para que cada setor possa oferecer aos consumidores produtos bons, para se ter isonomia competitiva e concorrência leal e justa”.

O encontro terminou com a participação do público, que tirou todas as suas dúvidas em uma seção de perguntas e respostas, além de assinar um termo de intenção, confirmando seu forte interesse em fazer parte do programa.

Ministério das Cidades oficializa Programa Setorial da Qualidade de Portas e Janelas de Correr de Alumínio

O Ministério das Cidades, por meio do PBQP-H – Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat – acaba de oficializar em seu website o novo Programa Setorial da Qualidade de Portas e Janelas de Correr de Alumínio. O novo programa tem como objetivo elaborar mecanismos que garantam que portas e janelas de alumínio comercializadas em todo o País apresentem a qualidade necessária para que possam garantir segurança e conforto, atendendo às necessidades dos usuários.

O programa tem como mantenedora a AFEAL – Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio – que representa empresas que fabricam, importam, comercializam ou distribuem portas e janelas de alumínio e também companhias responsáveis pelos componentes, ferragens e selantes empregados na montagem dos produtos, e traz como coparticipante a ABAL – Associação Brasileira do Alumínio, algo inédito e de extrema relevância para a valorização do setor. A entidade, por sua vez, reúne toda cadeia produtiva do alumínio, entre eles os produtores de tubos e perfis extrudados e os fabricantes de sistemas de esquadrias de alumínio.

De acordo com o presidente executivo da ABAL, Milton Rego, a caixilharia de alumínio é a grande vitrine do metal na construção civil. Leve, durável e com diversas possibilidades de acabamentos, são amplamente utilizadas por arquitetos e projetistas em empreendimentos de todo porte e padrão. “Considerando a importância desse setor, a validação do PSQ de Portas e Janelas de Correr de Alumínio possibilitará a integração e melhoria da qualidade de toda a cadeia, bem como trará maior segurança tanto para as empresas como para os consumidores”, comenta.

Assim, pela primeira vez, as empresas sistemistas, extrusoras, beneficiadoras de perfis, fabricantes de componentes e ferragens, fabricantes de selantes, além das empresas fabricantes de portas e janelas de correr, estão todas agregadas ao programa.

Para o presidente da AFEAL, Antônio Antunes, este é um momento histórico, que deve mexer bastante com todo o mercado. “A esquadria de alumínio está entre os produtos mais importantes da construção civil e é um produto complexo. Tendo um programa rico como este em pleno funcionamento, certamente nivelaremos nosso segmento pelo alto e teremos mais braços para valorizar nosso produto, trazendo mais segurança, tranquilidade ao consumidor e isonomia competitiva ao mercado”, esclarece.

Produto-alvo

O Programa Setorial da Qualidade de Portas e Janelas de Correr de Alumínio aborda inicialmente como produtos-alvo janelas de correr de alumínio para dormitórios e salas, englobando a janela de correr com duas folhas de vidro, a janela de correr com três folhas com venezianas e todas as folhas móveis, com dimensões máximas de 1,50 x 1,20 m.

Estudo realizado pela AFEAL apontou que em 2016 o segmento de esquadrias entre vãos teve volume de produção de 38,8 mil toneladas. Dentro deste universo, as janelas de correr correspondem a 22,4 mil toneladas, significando 58% do mercado organizado, o que demonstra a relevância do Programa Setorial da Qualidade de Portas e Janelas de Correr de Alumínio. Os associados da AFEAL são responsáveis pela produção de 12,5 mil toneladas de janelas de correr, representando 56% do mercado organizado destes produtos.

Empresa Gestora Técnica

A empresa escolhida para fazer a gestão técnica do Programa é a TESIS – Tecnologia e Qualidade em Sistemas de Engenharia. É um parceiro sólido, no mercado desde 1989, acreditada pelo Inmetro para atuar em 15 Programas Setoriais da Qualidade no âmbito do PBQP-H.

Caberá à TESIS a avaliação da conformidade das janelas, portas, perfis, acessórios e do beneficiamento de superfície. Todas estas verificações serão realizadas de acordo com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), dentre as quais, a ABNT NBR 10821 – Esquadrias Externas para Edificações e ABNT NBR 15.575 – Edificações Habitacionais – Desempenho (popularmente conhecida como “norma de desempenho”). O atendimento a estas normas garantirá a estanqueidade à água, a resistência mecânica, a durabilidade e a isolação sonora das portas e janelas de correr de alumínio.

Também caberá à TESIS oferecer o suporte para o combate à não conformidade das empresas que, sistematicamente, colocarem no mercado brasileiro portas e janelas de correr de alumínio que não atenderem os requisitos mínimos especificados nas normas técnicas ABNT.

Para saber mais detalhes sobre o programa, clique aqui e acesse a página oficial do Ministério das Cidades. Para participar, entre em contato com a AFEAL pelo telefone 11 3221-7144 ou com a ABAL pelo 11 5904-6450.

neste programa!”, finalizou.